Congestão nasal

 

Congestão nasal: Deixar entrar o ar

 

Quando entrámos no Outono é natural que a congestão nasal se anuncie. Ela anda, com frequência, à boleia de vírus como os que causam a constipação e a gripe. E esta é a época...

A congestão nasal é um problema que se deve normalmente a uma vulgar constipação ou a uma rinite alérgica. Mas pode também ser causada por uma anomalia do septo nasal ou devida à existência de pólipos nasais.

O pó, o pêlo dos animais, perfumes, condimentos e o fumo do tabaco podem contribuir igualmente para deixar o nariz congestionado, em pessoas susceptíveis. E até o uso incorrecto dos medicamentos descongestionantes tem responsabilidades: em vez de alívio, pode agravar o desconforto. Um adulto respira em média entre 10 e 20 mil litros de ar por dia. No entanto, é apenas quando sentimos bloqueio do sistema respiratório que tomamos consciência da nossa respiração. A obstrução nasal é desconfortável para dormir pois pode ocasionar o ressonar, distúrbios do sono e um grande incómodo para o parceiro. Perante um nariz obstruído, e dado o desconforto, o que há a fazer é actuar sobre as secreções, se existirem, tornando-as mais fluidas de modo a facilitar a sua expulsão. E, na maioria das vezes, consegue-se sem necessidade de recorrer a medicamentos, com alguns cuidados simples.

Assoar o nariz regularmente, mas sem esforçar, é um deles, na medida em que estimula a descida do muco.

Inalar vapores de soro fisiológico, no mínimo por dez minutos, também contribui para soltar as secreções. Um gesto que pode ser reforçado com a aplicação de uma solução salina, que ajuda a limpar o nariz. A ingestão de líquidos - água, chá, sopa - é também aconselhada, excluindo as bebidas com cafeína pois secam a mucosa nasal, podendo agravar a congestão, isto em situações prolongadas. E porque a congestão tende a piorar na posição horizontal é útil dormir com a cabeça ligeiramente elevada em relação ao resto do corpo. Estas medidas podem, no entanto, revelar-se insuficientes para lidar com a congestão. Pode então ser necessário recorrer a medicamentos, sendo, geralmente, usados dois tipos: os descongestionantes e os anti-histamínicos, estes no caso de a origem ser alérgica. Os descongestionantes devem, no entanto, ser utilizados com moderação pois usados em excesso podem agravar os sintomas que deveriam atenuar.

Os descongestionantes nasais estão na primeira linha do tratamento farmacológico da congestão nasal.

Existem três tipos: as tiras nasais, sem recurso a medicamentos, que abrem as fossas nasais, aliviando a congestão nasal, os sistémicos, de administração oral e que necessitam de mais tempo e doses mais elevadas para serem eficazes e os tópicos - sprays ou gotas que se aplicam directamente no nariz, tendo uma acção mais rápida mas mais efeitos secundários.

 

Fonte: FARMÁCIA SAÚDE – ANF