EXPÔR A DOIS
 
ESCULPIDOS, PINTURAS
 
 
OS DOIS DIFERENTES, OS DOIS IGUAIS
 
Realidades, sonhos e histórias
 
Álvaro Costa e Inês Lopes Brotas são um casal de artistas plásticos.
 
Têm exposto individualmente e em conjunto.
 
Recentemente têm apresentado e recebido propostas de exposições a dois.
 
Os seus trabalhos são diferentes, mas têm pontos em comum.
 
Têm vindo a fazer, também, um conjunto de obras a dois, criando assim uma mistura de dois estilos que se
 
cruzam perfeitamente.
 
Aos dois afectam as injustiças do mundo envolvente.
 
E aos dois os sonhos são fundamentais.
 
E isso está presente nas suas obras, em estilos representativos diferentes.
 
E em diferentes histórias.
 
A sua proposta, a dois, é, pois, apresentarem­se e mostrarem, exporem, o que têm em comum, o que os
 
une neste mundo. Mas também o que os distingue como indivíduos e artistas.
 
Estão unidos na vida, ideias, sentimentos, na pintura, na arte.
 
A pintura é o seu meio de falar, contar, dizer, de representar todos esses sentimentos, ideias comuns, e
 
também particulares.
 
(Os modos de representação dos dois são diferentes, podendo­se unir, como mostram os seus trabalhos
 
em conjunto)
 
O que os une na pintura é a mesma força, a mesma vontade de mostrar, (re)presentar, o seu mundo
 
interior e a sua visão do mundo exterior real ou idealizado, ficcionado, dois mundos que se unem também
 
porque muito idênticos, de vivências, de muitas ideias e sentimentos idênticos, e partilhados, onde estão
 
contidas injustiças e realidades menos belas, mas também onde vivem os sonhos partilhados de mundos
 
melhores e mais belos.
 
Duas personalidades muito idênticas, duas vidas semelhantes. Uma vida a dois. E uma exposição a dois.
 
Dois estilos representativos diferentes. Histórias, contos, diferentes. Que por vezes se cruzam.
 
No trabalho de Álvaro Costa, há um grande apego aos sonhos, uma enorme imaginação, uma capacidade
 
imensa de criar imagens, ideias, ficcionadas, histórias, que misturam realidades, acontecimentos e
 
sentimentos reais, com ficção de sentimentos reais e verdadeiros. Essas imagens, ideias, sonhadas são
 
representadas com uma orientação, por vezes, e em trabalhos menos recentes, para o mundo exterior
 
existente e o que gostaria de ver existir.
 
Os "sonhos" e "pesadelos" do mundo exterior têm estado sempre presentes nas suas obras.
 
No seu trabalho mais recente, no entanto, as imagens criativas e ainda mais ficcionadas do real, os bons
 
sonhos, as histórias, surgem mais, e o seu interior que sonha com um mundo mais puro e belo, revela­se
 
nessas imagens ficcionadas, e numa forma de representar, mais simples, de formas mais simples,
 
sintetizadas, muito expressivas, que se associam a imagens da infância.
 
Faz desenho riscado e pintura riscada e escavada, esculpida, em madeiras e platex (a sua técnica pessoal
 
espontânea), usando também mancha de cor e tintas variadas, ceras, etc.
 
No trabalho de Inês Brotas, há uma direcção voltada, em trabalhos mais recentes, para o seu mundo
 
pessoal e interior, seus sonhos e pesadelos pessoais. Embora eles estejam contidos no mundo
 
envolvente, exterior, no mais próximo e no mais distante. Escapa, no entanto, e cada vez mais, também,
 
para aquele mundo que gostaria de ver, para a ficção, para o mundo das histórias.
 
O mundo exterior e colectivo está sempre presente, o mais e o menos belo, como o mundo interior, em
 
histórias com imagens sempre simbólicas.
 
Essas imagens são representadas, cada vez mais, com formas simples, sintetizadas, e cores também
simbólicas.
 
Faz pintura e desenho/pintura, riscada e manchada, em papel, cartão, tela, acrílico, óleo